Loading...

Páginas

Eu, coruja...

Eu, coruja...
Observo o que ninguém vê.

sábado, 17 de julho de 2010

PLANALTO PROMOVE DILMA EM KIT POR VOTO EM MULHERES

Planalto promove Dilma em kit por voto em mulheres


Autor(es): Christiane Samarco, Leandro Colon

O Estado de S. Paulo - 15/07/2010


O governo federal produziu e distribuiu 215 mil cartilhas, 20 mil cartões e 3 mil livros defendendo que se vote em mulheres. Foi incluído no material um discurso da candidata do PT à Presidência, Dilma Rousseff. A cartilha é intitulada Mais Mulheres no Poder e foi entregue a partidos, parlamentares e candidatos nos Estados.

Distribuição do material, por parte do governo, começou no mês passado, pouco antes do início oficial da campanha eleitoral

O governo federal produziu e distribuiu 215 mil cartilhas, 20 mil cartazes e 3 mil livros defendendo o voto nas mulheres. Também foi incluído no material um discurso de seis páginas da candidata do PT à Presidência, Dilma Rousseff.

O kit foi enviado em caixas de papelão pela Secretaria de Políticas para as Mulheres ? órgão vinculado à Presidência da República ? a partidos políticos, deputados, senadores e demais candidatos nos Estados.

Apesar de ter sido elaborado em 2008 e 2009, o material só foi impresso em maio. A distribuição, por parte do governo, começou no mês passado, pouco antes do início oficial da campanha eleitoral. A capa da cartilha, intitulada Mais Mulheres no Poder Plataforma 2010, traz a imagem de um botão verde com a expressão "confirma" ? similar a uma urna eletrônica ? e a frase "eu assumo este compromisso". Ontem, a Secretaria para as Mulheres distribuiu a publicação em Brasília numa conferência sobre a mulher na América Latina.

Militante. Já o livro intitulado Mais Mulher no Poder: uma questão da democracia & Pesquisa Mulheres na Política informa ser a Presidência da República a responsável pela obra e a secretaria pela "elaboração, distribuição e informações".

A partir da página 17, Dilma relata seu passado de militante de esquerda, seu histórico no governo Lula e destaca ter sido a primeira mulher a ocupar a chefia da Casa Civil. "Eu acredito que as mulheres são capazes de assumir esses espaços e têm uma dedicação inequívoca", diz trecho do discurso feito por Dilma num seminário no ano passado.

Em carta assinada no dia 18 de junho e enviada ao Congresso, Sônia Malheiros Miguel, subsecretária de Articulação Institucional e Ações Temáticas, relata aos parlamentares detalhes sobre o livro e a cartilha. Ela avisou que, se for necessário, o governo poderá enviar mais exemplares.

Site. Em nome de Sônia Miguel está o site Mais Mulheres no Poder, que destaca a cartilha que pede votos para as mulheres com o botão verde "confirma". Ela aparece como "coordenadora-geral". O governo contribui para a manutenção do site. Em abril, por exemplo, lançou edital para contratar consultoria destinada a abastecer o seu conteúdo. No mês passado, o site oficial da campanha de Dilma indicou a visita a essa página, informando que o "governo federal" a lançou.

O custo de impressão das cartilhas, dos livros e dos cartazes foi de, pelo menos, R$ 72 mil ? o dinheiro saiu de um convênio entre o governo e o PNUD (Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento). Coube à Secretaria de Políticas para as Mulheres enviar para a gráfica o arquivo com o material a ser impresso, aprovar o produto final e recebê-lo para distribuição em todo o País. Dois funcionários da secretaria foram destacados para cuidar dessa etapa de produção.

Inicialmente, seriam impressas 100 mil cartilhas ao preço total de R$ 27 mil, mas um pedido extra de mais 115 mil foi feito à gráfica contratada, acrescentando uma despesa de mais R$ 31 mil. Os livros custaram R$ 9,7 mil e os cartazes, R$ 4,7 mil.

Oposição. As caixas enviadas pelo governo ao Congresso ? cada uma com 450 publicações ? pegaram os parlamentares da oposição de surpresa. O conteúdo do material chamou a atenção por defender o voto nas mulheres com um discurso de Dilma Rousseff dentro de um livro.

A Procuradora Especial da Mulher na Câmara dos Deputados, a deputada Solange Amaral (DEM-RJ), que preside o DEM Mulher, considerou a publicação um "escândalo". A irritação do DEM deu-se também porque a cartilha cita o nome do partido entre as legendas que, alega o governo, aprovaram o seu conteúdo em 2008, num fórum nacional sobre os direitos da mulher.

"Estão tentando usar a gente para lavar a autoria da cartilha e legitimar a publicação. Querem usar o fórum para laranjar o material", diz a deputada. "O DEM nunca faria uma cartilha com essa cara, com a cara da Dilma." Irritadas, as senadoras Lúcia Vânia (PSDB-GO) e Rosalba Ciarlini (DEM-RN) decidiram não levar o material para seus Estados.


CARTA RESPOSTA DA VEREADORA TIEZA AO JORNAL "O ESTADO DE SÃO PAULO"

Mais um golpe do PT; desta vez, contra as mulheres

Sobre a matéria intitulada “Planalto promove Dilma em kit por voto em mulheres”, publicada no O Estado de S. Paulo, de 15 de julho, cumpre-nos esclarecer que nós, mulheres do PSDB, DEM e PPS do estado de S. Paulo, percebemos essa sutil tentativa de impor a candidata Dilma às mulheres paulistas, tão logo chegaram os convites para o Fórum de Instâncias de Mulheres de Partidos Políticos, realizado em São Paulo, no dia 14 de maio.

O material apresentado, o conteúdo e o formato do Fórum, anunciavam tratar-se de uma manobra da Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, do governo federal, para atrair o voto delas – das mulheres.

Indignadas com a suspeita de um novo golpe, desta vez dirigido aos movimentos organizados em prol da maior participação política das mulheres, enviamos documento à presidente do Conselho Estadual da Condição Feminina, comunicando a decisão de não participarmos do Fórum.

O que lamentamos profundamente é que a cachaça que sustenta a embriaguez permanente de poder do PT e de seus aliados, seja custeada com o suor dos que sonham com um país melhor para os brasileiros e brasileiras. Desta vez o golpe foi contra as mulheres e o prejuízo – não em meias ou cueca – em milhões de caixas de papelão contendo 215 mil cartilhas, 20 mil cartazes, 3 mil livros defendendo o voto nas mulheres e ainda discurso de seis páginas da candidata do PT à Presidência, Dilma Rousseff. Tudo isso distribuído à revelia dos prazos permitidos pela lei para a propaganda eleitoral, aos partidos políticos, deputados, senadores e demais candidatos nos Estados.

Nenhum comentário:

Postar um comentário